Seja bem-vindo ao site da IEC

(Instituto Esporte Cidadão)

Somos uma fundação,
sem fins lucrativos, que
promove a inclusão
social através da
prática esportiva.

NOSSA MISSÃO

Desenvolver tecnologias sociais para fomentar novas metodologias que objetivem a inclusão social de crianças e adolescentes em situação de risco social através de programas e projetos sócio esportivos.

Promover a qualificação profissional para a produção de conhecimento científico que venham a contribuir no desenvolvimento de novas tecnologias sociais para fomentar o empreendedorismo e a sustentabilidade, alcançando assim a qualidade de vida e a eqüidade social.

Confira nossas últimas
notícias e novidades.

Últimas Notícias

Most Useful University Essay Writers Tips That No One Else Is Aware Of

Things You Won’t Like About most useful College Essay Writers and Things you can expect to

the fundamental problem is always to find an author whom you think is with the capacity of composing a top quality university essay for you personally in the really affordable price. Opt for genuine authors because the world web that is wide saturated with essay authors, it’s important to find a formula of telling dependable from con providers. Purchasing an university essay Paper on the internet is easy, when you know about how to get a phenomenal author and you have got the capability to pay money for the services supplied.

what is actually occurring with Best College Essay Writers

If you are truly interested to select a university where you have constantly wanted to secure admission after SAT, you need to write an essay including thoughts that are well-carved a subject. At the minimum, you may need to pick an university with a belief system which fits your very own. In most of us, university could be the really time that is first our lives if we leave our families. If you think you desire to join a certain university along with your abilities of writing are particularly low, go to our writing services and you will get desired and quality services.

what you should Realize about most readily useful university Essay Writers

Writers’ solutions make everything significantly easier, while you don’t need to devote hours in some recoverable format writing. (mais…)

What you ought to Realize about How to Write a Paper for university and just why

what exactly is Actually taking place with Simple tips to Write a Paper for university

keep in mind the age, occupation of one’s potential market, whether it is a college instructor or admission officer. University writing goes beyond the book that is fundamental or summaries of a few high-school assignments. Most of the universities make use of the typical application essay prompts. With each moving 12 months, it is getting a lot more tough to enter an university of someone’s option.

The Foolproof How to Write a Paper for university Strategy

The essay writing solution reaches you a specialist author, that will provide your essay while you need at a price that is reasonable. Besides the grades and test ratings, the essay written with the university form is very easily the essential criteria that are important learn whether an applicant will probably be admitted when you look at the university or perhaps not. An essay might have various aim of writing, however the structure that is fundamental always the same. You compose an essay utilizing the single goal of persuading your reader.

You need to understand how to end an essay the most convenient way, for maximum effect. Your university application essay writing assignments are offered merely to the journalist that is competed in that specific topic. (mais…)

Here are a number of tips to allow you to address some real entrances essay requests confronted by the class of 2015, besides these of your own future colleges. The Common Software, including several individual university applications. In case you can not find skilled assistance, there are tons of on-line composition solutions which may offer a careful criticism of your own creating. (mais…)

With that said, a particular h AS no remedy except to purchase an article on this particular particular website! EssayThinker can be an professional essay writing service available on the net to anybody who requires an article paper written to your first-class common at a manageable price tag. In this respect you’ll use internet search engines to receive a proper creating firm. (mais…)

Since you can find a lot of essay writing services accessible on line in today’s day, pupils are definitely confounded to know the very best essay writing service provider. If you are trying to find an professional service to assist you with composing your essays, afterward cheapessaywritingservice.co.uk is going to be the support provider which you want to find. (mais…)

Most readily useful Ideas To Wow a Russian Woman

You don’t want to appear to be Brad Pitt or ride a Maserati to wow a Russian woman. May be will almost never work. To start with, you ought to understand how to make her feel truly special. But, it might be not too simple.

Can it be Actually That Necessary to Wow a lady?

Do you realy need to wow A russian woman? Yes! Gifts, surprises, and signs of attention are particularly necessary for females and are required fora quantity of reasons:

  1. To feel desired and loved, to understand that they’re perhaps perhaps perhaps not indifferent to you. all things considered, signs and symptoms of attention are created just by people who love. Thus, you reveal your love.
  2. Various indications of attention raise self-esteem of females. Such moments make girls pleased with by themselves.
  3. Gifts and attention signs make their life brighter, more diverse, and easier. Not merely ladies enjoy presents: their joy passes to guys and they even rejoice along with their better halves. Do you really agree totally that life is significantly more bland without shocks?
  4. They wish to share this with buddies and brag about any of it. Possibly not all the guys know it, but ladies tell one another in regards to the gift ideas they received from their husbands. Plus they not just talk but in addition earnestly share these records in social networking sites.

So, we genuinely believe that it’s apparent why males need to wow females.

Things Which May Impress a Russian Woman

Just how to wow a female? An incredible number of guys are suffering from this problem and literally rack their minds. It might appear that every practices have previously come to exist, and another intimate impulse might perhaps perhaps not cause delight of the Russian woman. But don’t stop trying! You can find 10 ways that are clever wow a female.

1. Inform her a compliment that is unique

Then you must let her if you want a girl to feel special and lose her head believe that she actually is not merely “the next goal.” Dating a girl that is russian allow her to understand which you think she actually is uncommon, inform her about her unique features. Inform her that she’s got amazing freckles, a common sense of humor|sense that is good of, an incredible laugh, or perhaps the many amazing feeling of design that you have got ever seen.

2. Do surprises morning

Exactly what could possibly be nicer for a lady than getting out of bed perhaps not as a result of an noisy alarms, but from the kiss that is gentle breakfast during intercourse, therefore on and thus forth! Additionally, if she comes to get results and discovers inside her bag an email with pleasant terms— it’s going to be really astonishing.

3. Show a small insanity

You’ll have a intimate supper but in an unforeseen spot: on top of the home, by the pond, or in which the panorama associated with the town can be seen. (mais…)

On its portion, customessaywritingservice h AS noted it will keep on spending so much time so as to keep the present customer satisfaction levels in its specialist solutions. Inside this age and day, transcription firms have gotten important element of business. Whenever you get professional aid, you can make sure of regular shipping of the job. (mais…)

They could utilise this essay kind to cautiously characterize the patient and also the thoughts they’ve as they discover the appropriate therapy. I discovered the guidebook to work for several of reasons. Later, the little one can compose narrations alone. If parents disapprove, this informative post provides you effective and honest suggestions to assist the problem. (mais…)

Article writing doesn’t need to be tough. Keep a great form when writing an essay. This might maintain quality papers a type of diary writing or letter writing. There are tons of locations where you could gather info to set within the essay papers. Writing exercise is actually a exercise for people who love writing. (mais…)

A good deal of preparation must get into your essay before beginning composing it. It’s critical to comprehend that academic papers are extremely different than other forms of writing. Or if you’re just creating a report and on the lookout for points. What you find yourself performing here significantly counts on the kind of essay you’re planning on composing. The writing of the disclaimer could be an intricate task for somebody who has never created one before, therefore Iwill offer you a concise guide which you may possibly use and follow. That is as it’s essentially a dumbed-down fashion of authorship. Writing style is among the main facets on paper. No matter your purpose, only carry on composing. This won’t must be in the state composition type or perfect phrases.

I also started in writing, tutoring.

As soon as you have shortened your Theme, you will need to set a purpose to your own article. If you’re writing an academic article. Just in case you happen to be going to compose an intriguing, unique essay, you’ll must complete research. The synopsis does not must be in nearly any formal composition structure. Paired with a superb composing program, the easy construction has the capacity to help you crank up essays fairly swiftly. This will definitely make the fundamental skeleton and abstract of your own essay. Specialist article help might be invaluable.

The past aspect of the biopsychosocial facts of individual conduct will be the social part.

Writing a flourishing educational section is substantially the exact same. While I can’t assure you will earn a superb grade, the subsequent tips may assist you to guarantee that you simply do all you perhaps are able to to make your composition incredible. Most students will likely need some kind of essay assistance sooner or later, but among the essential academic essay writing propositions is always to follow a plan and also to stay with it. If you’re not, the Web along with the collection are both exceptional places to locate sound evidence for your own essay. This insightful article offers a general summary of proposal writing and offers means to consider different elements. It’s the type of papers you’d compose before composing a alternative papers. Then write a thorough outline of your own article, completing its construction as you move, ensuring no critical ideas are overlooked. Moreover, their comprehension of construction finishes in brilliant composing.

Unlicensed copy or publishing is copyright violation.

The last results will provide a resume of your whole investigation. A straightforward thesis statement may be some thing like’A great innovator should have intelligence, outstanding view, and guts.’ Interview essays let you use people as your own resources in place of publications. All these article topics for academic writing might be mined for more information and are a categorical reference to foster the person’s creativity and in addition to provide you with a press. I assume it truly is an essential skill in other nations, additionally. This might be one more place for article assist. You can find only three main approaches to write a compound sentence. It is dependent upon your essential wordcount and in addition the degree of your own article regarding how several phrases write a paragraph.

“speak” was also converted to a-size film starring kristen stewart, of “twilight” celebrity.

A word can function cheap dissertation writing as the coherent reflection of one idea. Furthermore, exercise creating some easy sentences. So as to write sentences which are punctuated properly, the author should follow a couple simple guidelines. For instance easily’m composing a sentence about’ Style’.

Imagine you’ve got an task of writing a great descriptive essay. These are incredibly good descriptive essay issues! Students and authors who’ll include these critical points will readily compose the descriptive documents. If you really don’t understand anything about illustrative essays you must surely attempt to find illustrative composition examples, which it is possible to come across on the net also at Professays. Your illustrative essay topic must be not only fascinating. Nevertheless, it should seem plagiat online fascinating too. There’s a traditional illustrative article structure that actually must be followed. The essay is completely well arranged. Brushing up on several descriptive article thoughts may improve one’s operation. As in virtually any writing, the composing period is critical to writing a prosperous illustrative article.

If some students should cheat, let us be knowing–that is apparently the evolving plan.

It’s period to begin creating paragraphs! A descriptive article takes a powerful accent on the statement together with the descriptions furnished by the writer. Consequently the enormous restriction for writing a descriptive essay would be to offer very particular and entirely graphic details within the perform. The decision is really where the writer restates the primary thought of the specified illustrative article. A detailed composition is really to bring in the readers consider as if he is noticed and professional something by themself. To be able to find the best ideas and titles for the documents it’s required to view the illustration of the illustrative composition. To be able to learn to be illustrative article it is possible to follow the ideal illustration of the illustrative article.

A single online instruction meaning is really not there.

It’s highly recommended to discover the newest example of detailed essay. Reap the benefits of your heart to write this sort of article.

You may get assignment help for essay writing too as MBA areas. Thus, we offer you a terrific chance of receiving a exceptional private school essay with no issues! I’ll usually aid pupils when they must detect essays associate. The others might concentrate on certain kinds of college documents. Your essay must be interesting, honest and most importantly, well organized. Some might notify you check sentence where to really choose composition writing aid. In the big event you can’t pay attention to your job and surely require help writing an essay, just contact us. What this means is which you dont need to struggle in trying to find out how your composition will likely be written. By way of example, the opening paragraph on the list of essay that you purchase may seize you’ll need to points thus making sure that the crowd should read or listen further in your essay everyday information. Your essay is going to have an opening, a human body plus a judgment.

Do not deviate in the primary proven fact that each section is supposed to convey.

You might find some guidance and suggestions about where to locate aid for article writing. You happen to be able to utilize a writer to assist you write content from scratch when studying a few guidance on how to enrich your writing. Outlined the comprehension tips I Have referred. It constantly feels fantastic knowing you are about to be offered a expert composition help meet each of the deadlines and fill in each of the gasps inside the program. In essay creating, there are a few steps which are followed. There should not be any ambiguities or confusions in every one of the measures set out in the article. Completing assignments have not been an effortless problem for faculty and for university students. Writing documents can consider lots of moment from a pupil’s program. Today, the practice to cover composition composing is well-known among students at all levels.

Being loved by someone seriously gives bravery to you.

INeedEssayHelp might be the authentic leader of the following diploma of college article assistance! It demands a high degree of attention, devotion and acceptable writing skills. Along with having the ability to offer assistance for multitudinous subject matter, we also offer help for students which are learning at several levels. Yes, we’re very enthused to hear from you because we’re dedicated to delivering help with essay for student. There are a number of unethical writing companies offering lousy first-class articles for cheap you intend in order to avoid. You will be confident when you purchase article aid on the web site because we’ve a major experience within our function and a great deal of content clients. This commitment has earned 9 11 – Article a position on the list of best alternatives on world for web essay assist. Work with all the aim to obtain the original and excellent essay on period to advance your standings. You are able to certainly order essays aid by completing the form inside the top region of the website.

Make sure to give seats and leaflets out, or people won’t know ahead!execute a remake.

The intro provides the simple goal of the process including background particulars. Beside, kinds writing may probably bring much concentration to the readers because of the organization of thoughts in the function the topic is extremely well-understood. Get essay help of the caliber satisfy your own academic targets with no problem. Your writing ought to be expert and educational. On line creating services can enable you to polish up your own entrance composition and generate a superior quality merchandise. Ethical writing business will maintain your information personal and confidential. Each of the on line composing businesses are not providing the top quality work and dependable services.

Writing documents on the internet is an effective way to create income. Alright when you begin understanding Spanish online you’re inspired and enthusiastic. Learning Spanish online normally means you could readily and efficiently understand the vocabulary proper from your residence however get each among the advantages of a conventional college instruction. (mais…)

Simply the secretary customer service which quality is not any issue what makes up an in-depth composition writing services providers. Irrespective of writing, you can even order proof reading of an already done paper, and also obtain a totally free trial for your own reference needs at home. AssignmentMasters has become the noticeable article composing providers centered on the united empire market. (mais…)

A inspirational letter consistently has the selection to be connected to your own cover letter. Examples and ideas on just how to compose these addresses are able to help you understand why better. (mais…)

Ontem foi Pré-estreia do filme: “O que de verdade importa.

Este é o primeiro filme mundial cujo lucro líquido será 100% revertido para instituições que apoiam o combate ao câncer infanto-juvenil.

O Filme estreiou ontem, dia 27, e cada ingresso conta. Quanto mais pessoas forem assistir no primeiro final de semana, mais tempo permanecerá em cartaz.

No Brasil são 7 instituições a receberem as doações.

E você pode ajudar!
Divulgue a seus amigos e familiares.

Confira o vídeo da anagrama filmes e logo abaixo o trailer do filme.

Você já viu o vídeo impactante que a ONG de Nova-iorquina Sandy Hook Promise fez?

Este foi um comercial produzido pela ONG Sandy Hook Promise, que busca proteger crianças e adolescentes de todos os tipos de violência.

Com ele a ONG compartilha uma poderosa mensagem sobre os sinais que os jovens emitem e, que nem sempre são notados pelas pessoas que estão no convívio, que podem levar à violência.

Vale a pena conferir!

Você já conhece o Projeto Social Gralha Azul?

Por meio do projeto os jovens tem contato com a luta olímpica, que é a base de todo o trabalho social desenvolvido.

A paixão pela luta foi o que motivo o Prof. Dr. Sérgio Santos a desenvolver este projeto e proporcionar aos jovens, acesso a um esporte pouco praticado no Brasil.

O Gralha Azul tem parceira do instituto Airton Senna e segue a orientação de fazer a educação por meio do esporte, nas palavras do Prof. Sérgio:

“A luta olímpica é um agente educador por excelência”

Quer conhecer um pouco mais sobre o projeto?
Assista o video abaixo.

Se gostou compartilhe e nos ajude a divulgar este e outros projetos.

A Citizen Sport Institute esta fechando convênio de parceria com a Fundacio Trinijove de Barcelona na Espanha.

A Trinijove ao longo de sua história desenvolveu inúmeros projetos de ações sociais recebendo diversos prêmios de reconhecimento. A CSI espera com este apoio contar com a expertise da Fundação Trinijove e implementar seus conhecimento nos projetos que estão em desenvolvimento aqui no Brasil.

Você pode conhecer mais sobre clicando aqui.

A CSI esta em tratativas com a La Caixa Foundation e espera em breve anunciar este novo parceiro internacional.

Com esta parceria a CSI – Citizen Sport Institute – espera contar com o apoio necessário para dar continuidade a seus projetos, expandir a atuação e ajudar o maior número de crianças e adolescentes que estejam em situaçao ou risco de exclusão. Com este suporte a CSI planeja alcançar mais avanços sociais e melhorar o bem-estar da comunidade aonde estes jovens estão inseridos.

Sobre a Fundacion La Caixa

A Fundação ”la Caixa” é uma organização sem fins lucrativos que desde o início do século XX trabalha dia a dia para conseguir uma sociedade mais igualitária para todos os tipos de comunidades. Uma organização que desde o início gere projetos que se ocupam de diferentes âmbitos, tão importantes para o desenvolvimento de uma sociedade como a ciência, a cultura, a educação e a investigação.

Você pode conhecer mais sobre clicando aqui.

Vivemos em uma sociedade com sérios problemas sociais, onde as crianças e adolescentes veem todos os dias seus direitos serem violados.

É preciso minimizar as desigualdades sociais.

Na Europa, empresas participam efetivamente dos programas sociais aportando vultuosas doações para atender a responsabilidade empresarial para com a sociedade.

No Brasil temos e exemplo do Instituto C&A, que desenvolve há mais de vinte anos projetos de inclusão social com foco na educação, tendo aportado mais de US$ 50 milhões, provenientes da matriz europeia. A melhor maneira para uma criança crescer e se desenvolver é através da prática esportiva, por isso, nossa proposta será a promoção integral dos direitos da criança e do adolescente na perspectiva de reestruturação social através de Programas dos esportes olímpicos de combate: Boxe, Esgrima, Judô, Luta Olímpica, Taekwondo. Conjuntamente com o fortalecimento familiar e comunitário.

PÚBLICO ALVO

O programa “VEM PRA A LUTA CIDADÃO” está em desenvolvimento nas Academias Chute Boxe de Curitiba e da Região Metropolitana, nos seguintes polos:

CURITIBA

  • Vilas Oficinas;
  • Vila Hauer;
  • Tatuquara;
  • Sítio Cercado;
  • Campo de Santana.

REGIÃO METROPOLITANA

  • Colombo;
  • Mandirituba;
  • São José dos Pinhais;
  • Campo Largo;
  • Pinhais.

Clique no botão abaixo para acessar todo o descritivo do projeto.

Jovens de intercâmbio tiveram a oportunidade de trocar de experiências em práticas esportivas.

 
 

A delegação Chinesa passou alguns dias aqui no Brasil, onde disputaram campeonato e trocaram muitas experiências. As atividades tiveram a coordenação do Prof. Dr. Sérgio Santos e ocorreram no Rio de Janeiro, onde os jovens puderam além de participar dos jogos conhecer um pouco mais da cultura brasileira.

 
 

PROGRAMA ORIENTAÇÃO JURÍDICA

Fonte: abong.org.br
 
Os conteúdos são de autoria da advogada Paula Raccanello Storto (OAB/SP n.º 185.055) do Szazi Bechara Storto Advogados, desenvoldos para a abong.org.br.
 
 

Quais são as principais modificações no cenário das parcerias entre Estado e Sociedade Civil com o advento da Lei 13.019/2014?

Primeiramente é importante destacar que qualquer modificação na relação entre Estado e Sociedade Civil proposta pela Lei 13.019/2014 só produzirá efeitos a partir do início da vigência da lei. O início da vigência foi alterado para julho desse ano (ver questão relativa à Regulamentação da lei nesse FAQ), por isso, por ora, o cenário permanece o mesmo. Vale destacar também que nesse período de vacância da nova lei será debatida e deliberada no Congresso Nacional a aprovação da Medida Provisória nº658 que, além de propor a alteração do início da vigência da lei, poderá ser objeto de Emenda Parlamentar.

Por isso, a Lei 13.019/2014 que entrará em vigor em julho de 2015 poderá conter algumas alterações no seu texto inicial, fazendo com que as modificações no cenário das parcerias entre Estado e Sociedade Civil permaneçam ainda em aberto.

No entanto, mesmo com a possibilidade de alteração do texto legislativo, há na lei regras gerais com relação às quais não há propostas de modificação. Por isso, destacaremos as principais modificações no cenário das parcerias entre Estado e Sociedade Civil a partir desse prisma.

A Lei 13.019/2014 traz dois novos instrumentos de parceria: o Termo de Fomento e o Termo de Colaboração. Antes, as OSCs precisavam se submeter aos Convênios, instrumentos que foram criados para regular parcerias entre entes públicos de diferentes esferas. Assim, as OSCs tinham que se adaptar, na medida do possível, às regras elaboradas de forma específica para União, Estados e Municípios, o que, por motivos óbvios, não era das tarefas mais fáceis. A burocracia inerente às regras públicas engessava a execução dos Projetos e, por vezes, prejudicava as OSC, razão pela qual a criação de novos instrumentos, com regras diferenciadas, é um grande avanço para essas parcerias.

Ainda no que diz respeito à especificidade da nova legislação, a Lei trouxe um padrão de regulamentação a ser seguido por todas as esferas, já que tem alcance nacional. Assim, não mais teremos um leque de portarias, instruções normativas e regimentos com regras estabelecidas de acordo com cada órgão, o que causava insegurança às OSCs.

Outro item relevante para a segurança jurídica das OSCs é a transparência nos procedimentos de seleção. Antes da Lei, a seleção das entidades para a assinatura de convênios ocorria de forma subjetiva, pois não havia a determinação de critérios objetivos e transparentes. Com a Lei, toda e qualquer parceria só poderá ser firmada mediante a realização de Chamamento Público prévio, do qual só poderão participar as OSCs com experiência mínima de 3 anos. Esse requisito é um grande avanço, principalmente pelo seu caráter de transparência e respeito a entidades que possuem um histórico de atuação com políticas públicas.
 
 
A Lei trouxe, ainda, a possibilidade de atuação de duas ou mais OSCs em rede.

Considera-se, ainda, que um grande avanço para as OSCs é a permissão de remuneração de equipe atuante no Projeto. Antes da Lei, o custeio da folha de pagamento da entidade não era possível, o que dificultava a execução das parcerias.

A Lei trouxe, também, a fixação de prazos para a apreciação das prestações de contas por parte da Administração Pública, o que contribuirá para a celeridade dos processos e diminuirá a insegurança para as entidades, que, geralmente tinham suas contas sem análise por anos e, até mesmo, por décadas.

A inexistência de prazo para análise das prestações de contas refletia também na possibilidade de a OSC ser obrigada a restituir valores com juros e multa de todo o período em que o processo ficou sem análise. Sendo assim, a OSC era penalizada com a restituição de valores muito altos, ainda que não tivesse provocado o atraso. Com a nova Lei, os juros e multa não incidem se o Poder Público descumpre o prazo para análise das prestações de contas, o que, sem dúvidas, é um grande diferencial, especialmente quando a devolução de tais valores pode colocar em risco a saúde financeira de organizações que não possuem fins lucrativos.

Por fim, outro ponto relevante trazido pela Lei é a utilização de Regulamento próprio da OSC para contratação de fornecedores. No âmbito dos Convênios, a OSCs precisavam realizar processos licitatórios em conformidade com a Lei 8.666/93, o que gerava muitas inconsistências, haja vista a sua natureza de direito privado. Apesar de não ser uma novidade no ordenamento jurídico, já que o Regulamento Próprio podia ser utilizado por OSCIPs no âmbito de Termos de Parceria, estendê-lo às demais entidades dará mais liberdade aos processos de contratação.
 
 

Quais são as providencias a serem tomadas pela Administração Pública para a celebração do Termo de Fomento e do Termo de Colaboração com as Organizações da Sociedade Civil?

No artigo 35, a Lei 13.019/14 prevê as providencias a serem tomadas pela Administração Pública a fim de celebrar os termos de colaboração ou de fomento com as organizações da sociedade civil. Apesar destas providencias serem da competência exclusiva do ente estatal, após o cumprimento de parte de responsabilidade da OSC (ver questões relativas às alterações do Estatuto Social das OSC e a Documentação das Perguntas mais Frequentes nesse FAQ), relativas a Alteração no estatuto e Documentação, é fundamental que as OSCs estejam atentas às providencias da Administração previstas no art. 35, pois ele indica o devido processo legal a ser seguido pelo ente público na execução da Política de Fomento e Colaboração.

Qualquer ente governamental que compõem a administração pública, direta ou indireta – tais como, União, Estados, Distrito Federal, Municípios e respectivas autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público, e suas subsidiárias (ver artigo 2º da lei) -, devem seguir esse procedimento. Nesse sentido, as OSCs devem exercer o controle social sobre a ação do Estado para assegurar a conformidade das condutas previstas na legislação.

Especificamente para a celebração do Termo de Fomento e do Termo de Colaboração com as organizações da sociedade civil, as providências cabíveis aos entes públicos que se submetem ao regime jurídico da Lei 13019/2014 são as seguintes:

1. Realização de chamamento público, ressalvadas as hipóteses previstas nesta Lei. Nos termos da nova Lei, para a contratualização com o Poder Público via modalidade parceria é imprescindível a realização do Chamamento Público. Há apenas duas hipóteses em que o chamamento público não é exigido: nos casos de Dispensa (Casos de urgência, de guerra ou grave perturbação da ordem pública ou quando se tratar de programa de proteção a pessoas ameaçadas) e nos casos de Inexigibilidade (Impossibilidade jurídica de competição, seja por falta de pluralidade de objetos ou pluralidade de ofertantes).

2. Indicação expressa da existência de prévia dotação orçamentária para execução da parceria. Cabe ao ente estatal prever o montante de recursos que será destinado a celebração de parcerias com as organizações da sociedade civil. Caso ele não preveja os recursos específicos para essa celebração, não será possível firmar qualquer a parceria. Por isso, é fundamental que as OSCs estejam atentas à previsão orçamentária do ano em que se pretende firmar parceria com o ente público. Lembre-se que a nova Lei estrará em vigor em Julho de 2015.

3. Demonstração de que os objetivos e finalidades institucionais e a capacidade técnica e operacional da organização da sociedade civil foram avaliados e são compatíveis com o objeto. Cabe ao ente estatal avaliar os objetivos e finalidades institucionais e a capacidade técnica e operacional da OSC, bem como verificar se esses itens estão de acordo com o objeto firmado na parceria. Por isso, é importante que a OSC tenha claro e registrado o histórico da instituição, as rotinas administrativas utilizadas no dia a dia da organização, cópias dos contratos firmados com a administração pública, atestados de capacidade técnica emitidos por terceiros, eventuais reconhecimentos públicos, tais como, prêmios, notícias publicadas nos meios de comunicação, etc.

4. Aprovação do plano de trabalho, a ser apresentado nos termos desta Lei. O plano de trabalho a ser submetido à apreciação da administração deverá ser elaborado pela OSC e, necessariamente, conterá os itens que seguem abaixo, conforme disposto no artigo 22 da Lei 13.019/14:

a) Diagnóstico da realidade e o nexo de causalidade entre essa realidade e as atividades ou metas a serem atingidas;

b) Descrição detalhada de metas quantitativas e mensuráveis a serem atingidas e de atividades a serem executadas (o que se pretende e o que será feito);

c) Prazo para a execução das atividades e o cumprimento das metas;

d) Definição dos indicadores, qualitativos e quantitativos;

e) Demonstração compatível entre os custos com os preços praticados no mercado (cotações, tabelas, publicações);

f) Plano de aplicação dos recursos públicos;

g) Estimativa dos encargos previdenciários e trabalhistas das pessoas envolvidas;

h) Valores a serem repassados conforme o cronograma;

i) Modo e periodicidade das prestações de contas, não se admitindo período superior a 1 ano.

As OSCs devem otimizar o período em que a lei está vacante para elaborar um plano de trabalho que esteja totalmente de acordo com o que será exigido pela administração pública.

5. Emissão de parecer jurídico do órgão de assessoria ou consultoria jurídica da administração pública acerca da possibilidade de celebração da parceria, com observância das normas desta Lei e da legislação específica.

6. Emissão de parecer de órgão técnico da administração pública, que deverá pronunciar-se, de forma expressa, a respeito:

a) do mérito da proposta, em conformidade com a modalidade de parceria adotada;

b) da identidade e da reciprocidade de interesse das partes na realização, em mútua cooperação, da parceria prevista nesta Lei;

c) da viabilidade de sua execução, inclusive no que se refere aos valores estimados, que deverão ser compatíveis com os preços praticados no mercado;

d) da verificação do cronograma de desembolso previsto no plano de trabalho, e se esse é adequado e permite a sua efetiva fiscalização;

e) da descrição de quais serão os meios disponíveis a serem utilizados para a fiscalização da execução da parceria, assim como dos procedimentos que deverão ser adotados para avaliação da execução física e financeira, no cumprimento das metas e objetivos;

f) da descrição de elementos mínimos de convicção e de meios de prova que serão aceitos pela administração pública na prestação de contas;

g) da designação do gestor da parceria;

h) da designação da comissão de monitoramento e avaliação da parceria;

i) da aprovação* do regulamento de compras e contratações apresentado pela organização da sociedade civil, demonstrando a compatibilidade entre a alternativa escolhida e a natureza e o valor do objeto da parceria, a natureza e o valor dos serviços, e as compras passíveis de contratação, conforme aprovado no plano de trabalho.

*este ponto da aprovação do regulamento de compras foi objeto de proposta de Emenda Parlamentar no processo de tramitação da MP 658 que, caso seja aprovada nos termos do relatório da Senadora Gleisi Hoffmann, será suprimido do texto da Lei.

 
 

Imposto sobre Doações

Somos uma entidade sem fins lucrativos constituída como fundação, com sede no município de São Paulo. Dentre nossos objetivos está o financiamento de projetos de organizações da área de direitos humanos em diferentes regiões do Brasil por meio de edital, com valores de aproximadamente R$ 40 mil por entidade selecionada. Gostaríamos de saber se incide imposto sobre doações sobre esses recursos e, se sim, como conseguir a isenção do referido tributo, já que a legislação referente a este imposto é estadual.

Conforme vocês corretamente apontaram, o Imposto sobre Doações é um tributo de competência dos Estados, que, a depender da legislação de cada Estado da Federação, pode incidir sobre as doações. O sujeito passivo da obrigação tributária deste tributo é o donatário, ou seja: quem paga é a organização que recebe a doação. Assim, a legislação que vai se aplicar é a do Estado em que se situa a organização que receber a doação.

No Estado de São Paulo, a Lei Estadual Paulista 10.705 de 2000, alterada pela Lei nº 10.992, de 21 de dezembro de 2001, determina que o ITCMD – Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação sobre Quaisquer Bens ou Direitos é devido à alíquota de 4% nas hipóteses de transmissão de bens por doação de valores que superem 2500 UFESPs, o que hoje equivale a R$ 50.350,00 – aUFESP em 2014 perfaz R$ 20,14. Assim, o valor mencionado de R$ 40 mil estaria dentro dos limites da isenção para OSCs situadas no Estado de São Paulo. Todavia, caso se ultrapasse o limite da isenção, o valor considerado para incidência do tributo será o montante integral das doações considerado na data do contrato de doação ou da avaliação nos termos do artigo 15 da Lei Estadual 10.705/00.

Na composição do valor são consideradas apenas as doações de um mesmo doador para um mesmo donatário, no mesmo exercício fiscal, assim identificados com base nos respectivos CNPJs e/ou CPFs. Ou seja, apenas incide o ITCMD sobre as doações recebidas por OSCs estabelecidas em São Paulo, se superarem 2500 UFESPs e tenham sido realizadas por um mesmo doador para um mesmo donatário, dentro de um mesmo ano fiscal.

É importante esclarecer que estas informações valem apenas para as OSCs sediadas no Estado de São Paulo. Já para as OSCs estabelecidas em outros Estados, é importante verificar a legislação de cada Estado a fim de identificar as regras aplicáveis a este tributo. Em geral, os Estados têm procedimentos de isenção do imposto sobre doações destinadas a organizações que atuem com promoção do interesse público. Esta isenção pode ser buscada pelas organizações que cumprirem os requisitos das leis estaduais específicas. Mais informações podem ser obtidas junto às Secretarias da Fazenda ou de Finanças dos respectivos Estados.

Lei 13.019/2014 e Lei das OSCIPS – Participação de servidores públicos e de agentes políticos

Quais são os impedimentos legais quanto à participação de servidores públicos em Organizações da Sociedade Civil (OSCs), cito alguns exemplos: I. Ter na OSC, como ordenadora de despesas, uma funcionária da prefeitura local, embora não concursada; II. Fazer uma contratação RPA (Recibo de pagamento autônomo) para prestação de 05 serviços, com recursos da Petrobras a uma funcionária concursada do Ministério Público Estadual. III. Fazer contratações de funcionários públicos para serem pagos com recursos públicos, sejam municipais e estaduais, como Conselhos e da União. IV. Ter na Diretoria funcionário público (por exemplo, professor concursado) e se este impedimento é para os Diretores ou também para integrantes da Comissão Fiscal.

Estas perguntas são muito importantes, além de bastante complexas de se responder, pois dão margem a discussões de alta relevância, próprias do universo jurídico das Organizações da sociedade Civil (OSCs). Esperamos conseguir abordar com clareza cada um dos pontos colocados, de forma a orientar a tomada de decisões dos gestores de sua OSC.

As diferentes situações apresentadas envolvem a prestação de serviços, por servidores públicos, à organização a sociedade civil, tema polêmico que divide a opinião de especialistas, pois envolve um delicado equilíbrio entre importantes princípios normativos e valores sociais.

De um lado, existe a justa preocupação com o uso de recursos públicos e a moralidade da Administração Pública, haja vista que a participação de servidores nas OSCs poderia representar algum potencial conflito de interesse entre a atividade que a OSC desenvolve e o cargo público que os servidores ocupam. É bom lembrar também que a própria Constituição Federal tem como regra geral a vedação à acumulação remunerada de cargos públicos, nos termos do seu art. 37, inciso XVI, salvo quando houver compatibilidade de horários, observado o teto de vencimento, justificando a preocupação de que a remuneração do servidor público pela OSC não se configure uma espécie de “complementação disfarçada” dos vencimentos do servidor.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:

XVI – é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso XI:

De outro lado, é importante considerar que a prestação de serviços voluntários ou remunerados, por servidores públicos a outros tomadores de serviços, diversos de seus empregadores públicos, pode acontecer de forma absolutamente ética, legítima e respeitando a legislação. Ademais, a interpretação da norma não deve inviabilizar de antemão o exercício da liberdade do cidadão, servidor público ou não, em participar de atividades de OSCs, nos limites das leis que estabelecem as regras atinentes ao cargo público e à organização da sociedade civil.

Por esta razão, a decisão de contar com os serviços de servidores públicos em uma OSC deve ser precedida de uma análise cuidadosa, tanto por parte da OSC quanto do próprio servidor, a fim de se evitar cair em situação de irregularidade que venha a causar prejuízo para a OSC e/ou para o servidor. Importante registrar que, em geral, os órgãos de controle tendem a interpretar que o trabalho remunerado de servidores públicos deve ser exceção, e portanto, ser interpretado de forma restritiva. Na mesma linha, costumam entender que recursos públicos repassados a OSCs não podem ser utilizados para remunerar servidores públicos. A remuneração de servidores com recursos repassados por entes públicos é uma das principais questões que tem ensejado a solicitação de restituição aos cofres públicos dos valores repassados. Por isso, nesta matéria, nos é exigido o máximo de cautela, pois independentemente de qual seja a nossa opinião, as decisões judiciais são reiteradas no sentido de restringir essa prática. Ademais, deve-se sempre estar atentos às normas previstas na lei 12.846 de 2013, mais conhecida como “Lei Anticorrupção”. Sobre esse assunto leia o artigo “Lei Anticorrupção reforça a importância de mecanismos de governança nas Organizações da Sociedade Civil” escrito por Paula Raccanello Storto.

Acreditamos que a análise das suas indagações nos ajudará a demonstrar, na prática, o nível de cautela que deve ser tomado na avaliação dos casos concretos.

Nas questões que recebemos, somos perguntados se haveria eventual impedimento legal a quatro diferentes situações descritas, envolvendo o trabalho de servidores púbicos em OSCs.

Vamos a elas:

I – “Ter na OSC, como ordenadora de despesas, uma funcionária da prefeitura local, embora não concursada”

Para responder a essa questão é necessário conhecer exatamente a legislação que regulamenta a função que essa pessoa desenvolve na Prefeitura, bem como as normas internas da OSC na qual ela desempenha função.

Quando se menciona que a sua colega atua na OSC como ordenadora de despesa, é possível imaginar que ela seja uma Diretora[1], com poderes de representar a OSC perante terceiros, ou que ela seja uma gerente interna com alçada de autonomia para decidir sobre gastos. De qualquer forma, é fato que esta pessoa decide, em alguma medida, sobre a destinação de recursos financeiros da organização.

Há uma série de variáveis que podem fazer com que essa situação seja ilegal ou irregular, cito apenas alguns exemplos: (i) se houver alguma Lei municipal que proíba; (ii) se o cargo público que a servidora ocupa for de dedicação exclusiva, ou incompatível com a função que desenvolve na OSC, (iii) a existência de conflito de interesse entre a função pública e a função na OSC; (iv) se a pessoa for remunerada ou ordenar despesas realizadas com recursos transferidos pela Prefeitura; (v) se a OSC tiver norma interna que vede a participação de servidores públicos.

Como se vê, cumular função em instituição pública e privada não é necessariamente proibido, mas a situação pode gerar problemas jurídicos (e políticos), especialmente se a OSC atuar com recursos de origem pública. Se atuar com recursos repassados pela mesma Prefeitura na qual a servidora mantém vínculo, parece-nos incompatível com atuação na OSC, especialmente como ordenadora de despesas.

II – “Fazer uma contratação Recibo de pagamento autônomo (RPA) para prestação de 05 serviços, com recursos da Petrobras a uma funcionária concursada do Ministério Público Estadual.”

Aqui novamente as mesmas questões aparecem. A princípio o orçamento da Petrobrás não deve ser utilizado para remunerar trabalhadores do MP estadual. É possível que o próprio Ministério Público não esteja de acordo com o fato de seus servidores prestem determinados tipos de serviços a Projetos financiados pela Petrobras. Todavia, é claro que pode haver hipóteses específicas em que uma funcionária concursada do MP estadual preste serviços autônomos, independentes, determinados, a uma OSC, como pode acontecer com a elaboração de um artigo acadêmico ou a docência em cursos realizados por OSCs. .

Nestes casos, é importante verificar se não há no contrato firmado com a Petrobrás (ou com qualquer outro financiador) alguma vedação a este tipo de pagamento. Também é importante certificar se o vínculo público do servidor o autoriza a prestar este tipo de serviços.

Em caso de dúvida, e evitando correr riscos desnecessários, a OSC pode consultar formalmente a Petrobras sobre a possibilidade de realizar o pagamento. .

Ao servidor também é facultado submeter consultas ao órgão que o remunera, sobre a possibilidade de prestação dos serviços. Em alguns casos, é obrigação do servidor submeter esta consulta à aprovação prévia do ente público do qual é funcionário concursado.

III. “Fazer contratações de funcionários públicos para serem pagos com recursos públicos, sejam municipais e estaduais, como Conselhos e da União”.

Conforme já dissemos, a princípio os recursos repassados pelo orçamento de um ente público não devem utilizados para remunerar servidores de outros entes públicos. Este tipo de prática pode configurar burla a legislação administrativa e orçamentária.

Para evitar problemas, nos casos excepcionais em que este tipo de contratação for realmente necessária, recomendamos que o caso concreto seja formalmente submetido à consulta dos entes públicos envolvidos (tanto o que financia os Projetos, quanto o ente com o qual o servidor tem vínculo de trabalho).

Importante lembrar que a referida consulta somente terá validade se for devidamente fundamentada por escrito, por autoridade do órgão que tenha a competência administrativa e decidir sobre este tipo de questão.

“IV. Ter na Diretoria funcionário público (por exemplo, professor concursado) e se este impedimento é para os Diretores ou também para integrantes da Comissão Fiscal.”

Cada servidor público submete-se ao regime do órgão público ao qual está vinculado. Com isso, a análise de eventual proibição de participação em outras atividades deve basear-se na regulamentação própria deste regime, observando a compatibilidade com o horário de trabalho do cargo ou função pública.

No que se refere especificamente ao Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União, seu art. 117, incisos X e XVIII, dispõe que estes servidores estão proibidos de exercer qualquer atividade incompatível com o exercício da função e de participarem de “gerência ou administração de empresa privada ou sociedade civil.”, o que tem dado margem à interpretação de que este servidor não poderia ocupar cargos da Diretora de OSCs em geral.

 
 

Art. 117. Ao servidor é proibido:

X – participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada, exercer o comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário;

XVIII – exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho;

Já com relação ao exercício de funções não remuneradas como Conselheiro não haveria impedimentos.

Aqui reiteramos a recomendação de que, para evitar problemas, nos casos excepcionais em que a OSC entender que a direção por servidor é realmente necessária, o caso concreto deve ser formalmente submetido à consulta do ente com o qual o servidor tem vínculo de trabalho.

Cabe ressaltar que no caso específico das OSCIPs, o parágrafo único do art. 4º. da Lei 9790/99 estabelece que “É permitida a participação de servidores públicos na composição de conselho de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, vedada a percepção de remuneração ou subsídio, a qualquer título.” Na prática, o Ministério da Justiça tem exigido das organizações interessadas em obter a qualificação como OSCIP que apresentem declaração atestando que seus diretores não exercem cargo, emprego ou função pública.

[1] O tema específico da participação de servidores na Diretoria de OSCs será abordado na última questão (item 4).
 
 

Lei 13.019/2014 – Procedimentos de fiscalização

Como se dará o acesso e a fiscalização dos servidores da Administração Pública aos documentos e instalações das Organizações da Sociedade Civil (OSCs) parceiras?

A redação do artigo 42, inciso XV, da Lei 13.019/14 prevê o livre acesso dos servidores e a fiscalização pública aos documentos e instalações das organizações parceiras que tenham celebrado Termos de Colaboração ou Termos de Fomento com a Administração Pública.

Da forma como foi aprovada não há procedimentos previstos. Todavia, este é um ponto que esperamos que a regulamentação da Lei trate no sentido de prever procedimentos que assegurem a não interferência estatal direta no funcionamento das organizações. Isto porque a Constituição Federal prevê garantias e direitos fundamentais com relação às OSCs, em especial às associações, nos termos da redação do artigo 5º que assim estabelece:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

(…)

XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

XVIII – a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento;

XIX – as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;

XX – ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado;

XXI – as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;

Além da liberdade de associação, a Lei deve respeitar o devido processo legal, a presunção da inocência e outros direitos constitucionais das pessoas, determinando a criação de procedimentos para o acesso aos documentos e locais de interesse da fiscalização pública.

Enquanto o assunto não é regulamentado, é importante que os funcionários e dirigentes de OSCs estejam atentos para atender bem à fiscalização, que deverá ocorrer preferencialmente em horário comercial, com agendamento prévio. A entrega de documentos deve ser feita mediante protocolo, desde que solicitados por escrito em temas de interesse das prestações de contas e monitoramento das ações. De igual forma é importante que as OSCs estejam atentas a eventuais excessos por parte da Administração Pública, sempre que realizar solicitações incompatíveis ou não justificadas no interesse das parcerias.

Sobre o tema, veja também a Carta da Plataforma das OSCs sobre a Lei 13.019/2014 e análise de autoria de Jorge Eduardo Durão.

Lei 13.019/2014 – Comprovação de endereço

Muitas Organizações da Sociedade Civil (OSCs) atuam simultaneamente em locais diferentes. De acordo com a Lei 13.019/2014, para fins de comprovação do funcionamento dessas OSCs, qual endereço deve ser informado à Administração Pública?

O inciso VII do artigo 34 da Lei 13.019/14 estabelece que a organização deve comprovar que funciona no endereço registrado no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas da Secretaria da Receita Federal do Brasil – CNPJ, o que na prática nem sempre ocorre, pois muitas vezes a OSC, assim como as empresas, tem um endereço fiscal, informado no CNPJ, mas exercem suas atividades e funcionam em escritórios em outros endereços, a depender dos projetos que esteja desenvolvendo.

Funcionar ou desenvolver atividades em local diverso ao do informado no CNPJ não é uma ilegalidade. É claro que no endereço fiscal, informado no CNPJ, a OSC deve ter possibilidade de ser encontrada, sendo o endereço válido para que receba correspondências, seja notificada por entes públicos ou privados com interesse em suas atividades.

A fim de dar publicidade às suas ações, é importante que a organização disponibilize em seu site e no material institucional dos projetos todos os endereços em que desenvolve atividades.

Para fins do disposto no inciso VII do artigo 34 da Lei 13.019/2014, recomendamos que a OSC possua comprovantes de endereço idôneos em seu nome dos locais onde desenvolve atividades, tais como contas de serviços públicos de água, luz e telefone fixo.

Sobre o tema e nossa expectativa com relação à regulamentação, veja também a Carta da Plataforma das OSCs sobre a Lei 13.019/2014.
 
 

Lei 13.019/2014 – Regulamentos de compras e contratações

Qual é o papel da Administração Pública frente aos Regulamentos de Compras e Contratações elaborados pelas Organizações da Sociedade Civil (OSCs) previstos na Lei 13.019/14? Como ficam as normas internas de compras e contratações das OSCs que estabelecem parcerias com a Administração Pública?

O inciso VIII do artigo 34, a alínea “i” do inciso V do artigo 35 e o inciso II do parágrafo único do artigo 42 da Lei 13.019/14 determinam que a Administração Pública deve aprovar os Regulamentos de Compras e Contratações elaborados pelas Organizações da Sociedade Civil para a execução dos planos de trabalho das parcerias que firma, seja na modalidade de Termo de Fomento ou de Termo de Colaboração.

Este é um ponto que tem sido objeto de muitas críticas e discussões. Esperamos que a regulamentação da Lei trate no sentido de prever procedimentos que assegurem que o processo de aprovação dos regulamentos traga garantias para evitar a interferência estatal direta no funcionamento das organizações.O assunto foi objeto de contribuições da Carta da Plataforma das OSCs sobre a Lei 13.019/2014 e da análise de autoria de Jorge Eduardo Durão.

Nunca é demais lembrar que a Constituição Federal prevê garantias e direitos fundamentais com relação às OSCs, em especial às associações, nos termos da redação do artigo 5º que estabelece, entre outras garantias, nos incisos XVII e XVIII, a plena liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar; e que a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento.

Para além do potencial de interferência estatal na liberdade de auto-organização das OSC, a aprovação do regulamento de compra e contratação pela Administração pode gerar problemas para o funcionamento das OSCsdas mais diversas ordens. Imagine uma mesma organização que tenha celebrados parcerias com diferentes entes públicos, de diferentes esferas, submetidos a suas realidades próprias, e entendimentos das suas Consultorias Jurídicas. É grande a chance desses entes públicos estabelecerem variados requisitos para os instrumentos submetidos a aprovação. Dessa forma, seria excessivamente difícil às OSCs o cumprimento de todos os requisitos dentro de uma mesmo regulamento. Este é o tipo de situação que a Administração Pública deve evitar.

Existe o risco de que a insegurança jurídica, entendimentos divergentes e analogias indevidas, que hoje caracterizam as relações de convênios, e atingem as OSC e o Estado, seja transferida à interpretação destes Regulamentos, e passem a atingir as relações de parceria estabelecidas por meio dos Termo de Fomento e Termo de Colaboração.

Na dúvida, a autonomia das OSCs deve prevalecer. Organizações da Sociedade Civil são pessoas jurídicas de direito privado e sujeitos de direito objeto de proteção especial no âmbito internacional, diante da sua grande importância para a democracia, pluralidade e desenvolvimento de uma sociedade.

Conforme tivemos a oportunidade de defender em artigo sobre a “A incidência do Direito Público sobre as Organizações da Sociedade Civil sem Fins Lucrativos”[1], diante da liberdade de auto-organização das associações e da obrigação do Estado de respeitar – e porque não, fomentar – o direito ao desenvolvimento da sociedade civil, a incidência das normas de direito público sobre essas entidades deve ser sempre a menor possível; a mínima necessária para garantir a atividade de relevância pública ou o bem público tutelado, zelando pela característica privada das entidades e pelos princípios aplicáveis ao uso do recurso público e à boa administração.

No caso concreto, na análise dos Regulamentos de Compras e Contratação das OSCs pela Administração Pública devem prevalecer ao máximo as normas próprias já utilizadas pelas organizações, como forma de garantir a liberdade e independência das OSCs e a não interferência estatal em seu funcionamento.
 
 

Lei 13.019/2014 – Comissões de Seleção e de Avaliação

Estão previstas na Lei 13.019/2014, a Lei Geral das Parcerias entre o Estado e as OSCs, duas comissões: a Comissão de Seleção e a Comissão de Avaliação. Quais são as principais diferenças entre elas quanto a composição, transitoriedade e especificidades nas Secretarias Municipais?

A Lei 13.019/14 é expressa na definição dos tipos de comissão, que não se confundem. Diz o artigo 2º, inciso X, que Comissão de Seleção é “órgão colegiado da administração pública destinado a processar e julgar chamamentos públicos, composto por agentes públicos, designados por ato publicado em meio oficial de comunicação, sendo, pelo menos, 2/3 (dois terços) de seus membros servidores ocupantes de cargos permanentes do quadro de pessoal da administração pública realizadora do chamamento público”.

Já o inciso XI do mesmo artigo define como Comissão de Monitoramento e Avaliação “o órgão colegiado da administração pública destinado a monitorar e avaliar as parcerias celebradas com Organizações da Sociedade Civil nos termos desta Lei, composto por agentes públicos, designados por ato publicado em meio oficial de comunicação, sendo, pelo menos, 2/3 (dois terços) de seus membros servidores ocupantes de cargos permanentes do quadro de pessoal da administração pública realizadora do chamamento público”.

Nota-se que ambas são compostas exclusivamente por agentes públicos. Portanto, o que as diferencia é, essencialmente, a atribuição de cada uma: enquanto a Comissão de Seleção atua previamente à celebração da parceria, processando e julgando os Chamamentos Públicos, a Comissão de Monitoramento e Avaliação tem papel importante em momento posterior, monitorando e avaliando a parceria já celebrada. Importante ressaltar que tais comissões não se confundem com aquelas previstas na Lei 9.790, que dispõe sobre as OSCIPs e institui o Termo de Parceria.

A Comissão Julgadora prevista na Lei 9.790 tem como atribuições processar e julgar Concursos de Projetos e é composta por, no mínimo, um membro do Poder Executivo, um especialista no tema do concurso e um membro do Conselho de Política Pública da área de competência, quando houver. Ou seja, o seu papel é equivalente ao da Comissão de Seleção prevista na Lei 13.019.

A Comissão de Avaliação, por sua vez, avalia os Termos de Parcerias celebrados com OSCIPs e é composta por dois membros do respectivo Poder Executivo, um da OSCIP e um membro indicado pelo Conselho de Política Pública da área de atuação correspondente, quando houver. Sendo assim, a despeito de guardar semelhanças com a Comissão de Monitoramento e Avaliação, não é composta exclusivamente por membros da Administração Pública.

Com relação aos impedimentos atinentes a essa matéria, vale destacar o que prevê o artigo 27, parágrafo segundo, quanto à Comissão de Seleção: “será impedida de participar da comissão de seleção pessoa que, nos últimos 5 (cinco) anos, tenha mantido relação jurídica com, ao menos, 1 (uma) das entidades em disputa”.

Destaca-se também o que diz o parágrafo 6º do artigo 35 quanto à Comissão de Monitoramento e Avaliação: “será impedida de participar como gestor da parceria ou como membro da comissão de monitoramento e avaliação pessoa que, nos últimos 5 (cinco) anos, tenha mantido relação jurídica com, ao menos, 1 (uma) das Organizações da Sociedade Civil partícipes”.

No que diz respeito à duração das Comissões, a Lei 13.019 não menciona se há um caráter permanente ou transitório. Fica a cargo de cada ente público decidir se haverá uma única Comissão de Seleção ou uma única Comissão de Monitoramento e Avaliação para acompanhar todas as parcerias, bem como qual será o prazo de sua existência. Em municípios menores, é provável que não haja necessidade de mais de uma Comissão de Acompanhamento e Avaliação. Já em municípios com grande volume de parcerias, é possível imaginar a necessidade de se criar Comissões especializadas por matéria ou porte das parcerias.

De qualquer forma, a Lei 13.019/2014 traz para o ente público a obrigação de planejar adequadamente e de ter diretrizes coerentes para o desenvolvimento das parcerias dentro da Política de Fomento e Colaboração, o que determina que haja um olhar geral sobre o trabalho de todas as Comissões, visando garantir a organização administrativa na execução da política pública de fomento e colaboração.

A criação dos Conselhos Municipais, Estaduais de Fomento e Participação (e até mesmo nos entes da Administração Indireta que tenham participação ativa dentro da Política de Fomento e Colaboração) é uma medida importante para garantir a necessária uniformidade, organização administrativa e coerência entre as decisões e entendimentos das Comissões e da Administração. Somente assim teremos uma política que proporcione que as parcerias com o Estado gerem também desenvolvimento das OSCs e da cidadania em geral.

Sendo assim, é obrigação de cada ente público (Municípios, Estados, União, Autarquias, Empresas Públicas, etc.) instituir uma Comissão de Seleção, na forma da Lei, antes de dar início ao processo de Chamamento Público para celebração de Termo de Fomento ou Termo de Colaboração. Da mesma forma, após a escolha da OSC pela Administração Pública e a celebração do respectivo instrumento de parceria, as ações de monitoramento e avaliação deverão ficar a cargo da Comissão de Monitoramento e Avaliação.
 
 

Lei 13.019/2014 – Regulamentação

Quando a Lei 13.019/14, que institui o novo regime jurídico para as parcerias entre Estado e Organizações da Sociedade Civil, entra em vigor?

A Lei 13.019/14 foi sancionada em 31 de julho de 2014, por isso passaria a vigorar a partir de 1º de novembro deste ano. Contudo, em 30 de Outubro de 2014, por meio da Medida Provisória n° 658, a Presidente da República prorrogou o início da vigência da Lei para 360 dias após sua publicação, ou seja, a Lei entra em vigor no dia 27 de Julho de 2015. Esse prazo proporcionará às OSCs e também à Administração Pública uma melhor assimilação do conteúdo da Lei e o debate em torno da sua regulamentação, possibilitando uma aplicação mais efetiva dos fundamentos da participação social e do fortalecimento da sociedade civil, bem como das diretrizes fundamentais do novo regime jurídico a ser implementado.
 
 

Lei 13.019/2014 – Termo de Colaboração ou de Fomento

O que deve estar previsto no Estatuto Social da OSC caso ela queira celebrar um Termo de Colaboração ou um Termo de Fomento com a Administração Pública, nos termos da nova Lei 13.019/2014?

No artigo 33 a Lei 13.019/14 apresenta os itens que devem estar previstos, de forma expressa, no estatuto social da organização, são ele:

Objetivos voltados à promoção de atividades e finalidades de relevância pública e social. O cunho social das organizações da sociedade civil, com vistas à garantia de direitos difusos, é uma das suas maiores marcas. No entanto, a despeito de possuir atributos que as diferenciam de organizações de cunho meramente associativo, como clubes recreativos, por exemplo, é essencial que os objetivos da OSC estejam expressos no seu estatuto, pois a não menção acarretará na impossibilidade de firmar Termos de Fomento e Termos de Colaboração.

II. Constituição de conselho fiscal ou órgão equivalente, dotado de atribuição para opinar sobre os relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas. Muitas organizações já contam com esse tipo de conselho, principalmente aquelas qualificadas como OSCIPs, pois a Lei 9790/99 traz essa exigência. No entanto, algumas OSCs não possuem tal órgão, razão pela qual essas organizações deverão constituir o Conselho Fiscal e prever de forma expressa a sua existência no seu Estatuto Social, com as competências de opinar sobre os relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, entre outras que a instituição considere adequadas. A Lei veda, ainda, a substituição desse órgão por empresa de auditoria independente.

III. Previsão de que, em caso de dissolução da entidade, o respectivo patrimônio líquido seja transferido a outra pessoa jurídica de igual natureza que preencha os requisitos da Lei e cujo objeto social seja, preferencialmente, o mesmo da entidade extinta. Similar à exigência trazida pela Lei das OSCIPs, essa norma estabelece a obrigatoriedade de previsão expressa no estatuto social da organização da transferência do seu patrimônio para outra OSC em caso de dissolução. A indicação da OSC que receberá o patrimônio será feita na ata de extinção da organização. Contudo, para que a entidade donatária receba o patrimônio da OSC extinta é preciso que o seu estatuto também atenda aos requisitos da nova Lei.

Normas de prestação de contas sociais a serem observadas pela entidade, que determinarão, no mínimo: (i) a observância dos princípios fundamentais de contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade; (ii) que se dê publicidade, por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e demonstrações financeiras da entidade, incluídas as certidões negativas de débitos com a Previdência Social e com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, colocando-os à disposição para exame de qualquer cidadão. Também já prevista na Lei das OSCIPs, essa exigência estabelece a necessidade de que o Estatuto disponha expressamente sobre a aplicação destas normas, que têm como fundamento a transparência na aplicação dos recursos públicos e o princípio do direito à informação, à transparência e ao controle social das ações públicas.
 
 

 
 

Para conhecer mais sobre este programa da Abong e ler a materia completa clique aqui

 
 

O Novo Código Civil e o Estatuto Social das ONGs

Fonte: abong.org.br

Trazemos a seguir um recorte sucinto das principais mudanças trazidas pelo Novo Código Civil, feito e divulgado pela ABONG.

Em janeiro de 2003, entrou em vigor o Novo Código, com mudanças nas regras estatutárias das associações, na constituição de fundações, e o prazo de um ano para as organizações se adaptarem. Esse prazo foi diversas vezes prorrogado por meio de medidas provisórias, visto que grande parte das organizações não havia feito as modificações necessárias.

Em junho de 2005, foi sancionada a Lei 11.127, que trouxe novas modificações ao Código Civil no que diz respeito às associações, em seus artigos 54, 57, 59, 60 e 2.031. A lei estabelece, como novo prazo, janeiro de 2007, para as organizações se adaptarem às regras do Código.

As organizações que já haviam feito as adaptações ao Novo Código, antes de entrar em vigor a Lei 11.127, podem fazer novas mudanças se desejarem, mas isso não é necessário, porque as regras ficaram mais flexíveis.

Previsões estatutárias obrigatórias para as associações.

Algumas disposições estatutárias, genéricas e obrigatórias, elencadas nos itens abaixo, já eram exigidas das associações, em razão da Lei de Registros Públicos; outras, como a indicação das fontes de recursos para sua manutenção, se tornaram obrigatórias com a nova lei. Desta forma, a associação deve verificar se seu estatuto dispõe sobre:

a) A denominação, os fins e a sede;

b) Os requisitos para admissão, demissão e exclusão de associados(as);

c) Direitos e deveres dos associados(as);

d) Fontes de recursos para sua manutenção;

e) O modo de constituição e funcionamento dos órgãos deliberativos;

f) As condições para a alteração das disposições estatutárias e para a dissolução da entidade;

g) A forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas;

h) Os critérios de eleição dos(as) administradores(as).

i) Modo de representação ativa, passiva, judicial e extrajudicialmente;

j) Se os membros respondem ou não subsidiariamente pelas obrigações sociais;

k) Destino do patrimônio em caso de dissolução;

l) Forma e quórum para convocação da assembléia geral.

É necessário observar, também, que algumas determinações legais passam a prevalecer sobre normas estatutárias que dispõem em contrário. O Estatuto Social, portanto, deve estar de acordo com as normas que seguem:

• Assembléia Geral;

• Competência privativa da Assembléia Geral para: destituir os(as) administradores(as) e alterar o estatuto;

• Para destituir os(as) administradores(as) e alterar o estatuto é exigida deliberação da assembléia especialmente convocada para esse fim, cujo quórum será o estabelecido no estatuto;

• Órgãos Deliberativos;

• O estatuto deve prever a forma de convocação dos órgãos deliberativos, garantido a 1/5 (um quinto) dos(as) associados(as) o direito de promovê-la;

• Exclusão de associados(as);

Só é possível havendo justa causa, obedecido o disposto no estatuto, o qual deverá conter procedimento que assegure direito de defesa e de recurso.

Classificação das pessoas jurídicas

O Novo Código Civil define os cinco formatos de pessoas jurídicas privadas existentes no direito brasileiro: as associações e fundações (formatos jurídicos das ONGs), organizações religiosas, partidos políticos e as sociedades. As sociedades, caracterizadas pelos fins econômicos e partilha dos lucros entre os(as) sócios(as), podem assumir diversos formatos, como sociedades cooperativas, sociedades limitadas e sociedades anônimas.

Apesar de não haver previsão expressa no Novo Código, é mais adequado, para as associações sem fins lucrativos que se denominam estatutariamente como “sociedades civis”, o uso do termo “associação”. Como conseqüência, também se faz mais coerente o uso da expressão “associados(as)” no lugar de “sócios(as)”.

Definição de associações

Mesmo sem uma definição no Código Civil de 1916, outras leis identificam uma associação pela sua finalidade não lucrativa, que se define pela não distribuição de parcelas do patrimônio a associados(as) e dirigentes, com aplicação integral das receitas à realização do objeto social. O texto novo, que define associações como “união de pessoas para fins não econômicos” causou preocupação para as organizações com atividade econômica (comercialização de produtos ou serviços). No entanto, finalidade é diferente de atividade – uma associação pode exercer atividades econômicas de forma suplementar e não exclusiva. Assim, não econômico pode trazer, na prática, os mesmos efeitos legais da habitual expressão não lucrativo.

Para evitar problemas de interpretação, porém, recomendamos que o estatuto faça referência as duas expressões: “é uma associação civil de direito privado sem fins lucrativos ou econômicos”. Isto porque, apesar de o Novo Código trazer a expressão “não econômicos”, grande parte da legislação, como as normas tributárias, ainda fala em fins não lucrativos.

Limitação de constituição de novas fundações

O Novo Código restringe a constituição de novas fundações: somente para fins religiosos, morais, culturais ou de assistência. Embora a restrição possa ser considerada um retrocesso, as categorias são bastante amplas e imprecisas, de modo que uma interpretação extensiva do texto pode abranger outras finalidades não expressamente indicadas na lei. Por se tratar de uma restrição a constituição de novas fundações, não se faz necessária adaptação estatutária àquelas fundações já constituídas.

Normas Gerais e Societárias

a) Legislação

Declaração Universal dos Direitos Humanos – Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 – Artigo 20 garante a liberdade de reunião e associação pacífica

Constituição Federal – O artigo 5º, nos incisos XVII a XX, tratam da plena liberdade de associação para fins lícitos e da vedação da interferência estatal nas atividades desenvolvidas pelas associações, excetuando-se a possibilidade de suspensão de atividades por decisão judicial.

Código civil – Lei No 10.406, de 10 de Janeiro de 2002 – Os incisos I e III do artigo 44 da norma tratam as associações e fundações, respectivamente, como pessoas jurídicas de direito privado. As associações são disciplinadas no artigo 53 e seguintes e as fundações: o artigo 62 e seguintes.

Lei 5.764 de 12 de Dezembro de 1971 – Define a Política Nacional de Cooperativismo e institui o regi­me jurídico das Cooperativas.

Lei nº 9.532 de 10 de Dezembro de 1997 – Lei do Imposto sobre a Renda, em seu art. 12 traz a definição de entidades sem fins lucrativos a entidade que destine eventual superávit, integralmente, à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais.

b) Outras Informações de Interesse

Cartilha de governança corporativa da Comissão de Valores Mobiliários – Cartilha que traz padrões de conduta e recomendações relativas a boas práticas de governança corporativa, práticas que quando adotadas podem ajudar a aprimorar dos padrões de conduta e governança das entidades.

 

ANEXO

LEI 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002
CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

PARTE GERAL

LIVRO I – DAS PESSOAS

TÍTULO II – DAS PESSOAS JURÍDICAS

CAPÍTULO II – DAS ASSOCIAÇÕES

Art. 53. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para fins não econômicos.

Parágrafo único. Não há, entre os associados, direitos e obrigações recíprocos.

Art. 54. Sob pena de nulidade, o estatuto das associações conterá:

I – a denominação, os fins e a sede da associação;
II – os requisitos para a admissão, demissão e exclusão dos associados;
III – os direitos e deveres dos associados;
IV – as fontes de recursos para sua manutenção;
V – o modo de constituição e funcionamento dos órgãos deliberativos e administrativos;
V – o modo de constituição e de funcionamento dos órgãos deliberativos; (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)
VI – as condições para a alteração das disposições estatutárias e para a dissolução.
VII – a forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas. (Incluído pela Lei nº 11.127, de 2005)

Art. 55. Os associados devem ter iguais direitos, mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais.

Art. 56. A qualidade de associado é intransmissível, se o estatuto não dispuser o contrário.

Parágrafo único. Se o associado for titular de quota ou fração ideal do patrimônio da associação, a transferência daquela não importará, de per si, na atribuição da qualidade de associado ao adquirente ou ao herdeiro, salvo disposição diversa do estatuto.

Art. 57. A exclusão do associado só é admissível havendo justa causa, obedecido o disposto no estatuto; sendo este omisso, poderá também ocorrer se for reconhecida a existência de motivos graves, em deliberação fundamentada, pela maioria absoluta dos presentes à assembléia geral especialmente convocada para esse fim.

Parágrafo único. Da decisão do órgão que, de conformidade com o estatuto, decretar a exclusão, caberá sempre recurso à assembléia geral (Revogado pela Lei nº 11.127, de 2005)

Art. 57. A exclusão do associado só é admissível havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento que assegure direito de defesa e de recurso, nos termos previstos no estatuto. (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

Art. 58. Nenhum associado poderá ser impedido de exercer direito ou função que lhe tenha sido legitimamente conferido, a não ser nos casos e pela forma previstos na lei ou no estatuto.

Art. 59. Compete privativamente à assembléia geral:

I – eleger os administradores;
II – destituir os administradores;
III – aprovar as contas;
IV – alterar o estatuto.

Parágrafo único. Para as deliberações a que se referem os incisos II e IV é exigido o voto concorde de dois terços dos presentes à assembléia especialmente convocada para esse fim, não podendo ela deliberar, em primeira convocação, sem a maioria absoluta dos associados, ou com menos de um terço nas convocações seguintes.

Art. 59. Compete privativamente à assembléia geral: (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

I – destituir os administradores; (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

II – alterar o estatuto. (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

Parágrafo único. Para as deliberações a que se referem os incisos I e II deste artigo é exigido deliberação da assembléia especialmente convocada para esse fim, cujo quorum será o estabelecido no estatuto, bem como os critérios de eleição dos administradores. (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

Art. 60. A convocação da assembléia geral far-se-á na forma do estatuto, garantido a um quinto dos associados o direito de promovê-la.

Art. 60. A convocação dos órgãos deliberativos far-se-á na forma do estatuto, garantido a 1/5 (um quinto) dos associados o direito de promovê-la. (Redação dada pela Lei nº 11.127, de 2005)

Art. 61. Dissolvida a associação, o remanescente do seu patrimônio líquido, depois de deduzidas, se for o caso, as quotas ou frações ideais referidas no parágrafo único do art. 56, será destinado à entidade de fins não econômicos designada no estatuto, ou, omisso este, por deliberação dos associados, à instituição municipal, estadual ou federal, de fins idênticos ou semelhantes.

§ 1o Por cláusula do estatuto ou, no seu silêncio, por deliberação dos associados, podem estes, antes da destinação do remanescente referida neste artigo, receber em restituição, atualizado o respectivo valor, as contribuições que tiverem prestado ao patrimônio da associação.

§ 2o Não existindo no Município, no Estado, no Distrito Federal ou no Território, em que a associação tiver sede, instituição nas condições indicadas neste artigo, o que remanescer do seu patrimônio se devolverá à Fazenda do Estado, do Distrito Federal ou da União.

 
 

Procedimentos devem ser adotados por pessoas físicas e jurídicas envolvidas no agenciamento de atletas e artistas.

Fonte: Fazenda

Entrou em vigor nesta terça-feira (07/08/) a resolução do Conselho de Controle de Atividades Financeiras – Coaf nº 30, de 4 de maio de 2018, que regulamenta os deveres dos setores esportivo e artístico para a prevenção aos crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores e prevenção ao financiamento do terrorismo.

Estão inseridas neste segmento todas as pessoas físicas ou jurídicas que atuam na promoção, intermediação, comercialização, agenciamento ou negociação dos direitos de transferência de atletas e artistas.

Em geral, estas pessoas estão enquadradas no código CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) número “7490-1/05 – Agenciamento de profissionais para atividades esportivas, culturais e artísticas”. No entanto, a norma também se aplica a pessoas que atuam neste segmento, mesmo que não estejam enquadradas nesta classificação ou que não seja essa sua atividade principal.

Procedimentos obrigatórios

Dentre as obrigações estão:

  • o cadastro no site do Coaf;
  • a identificação e cadastro de clientes, com manutenção deste registro pelo prazo mínimo de cinco anos (contado a partir da conclusão da operação);
  • o registro de todas as operações realizadas, com informações como identificação do cliente, atleta, artista e demais envolvidos, descrição da operação, com valores, datas, forma e meio de pagamento; e
  • a comunicação de operações que envolvam o pagamento ou recebimento em espécie de valor igual ou superior a R$ 30 mil (ou equivalente em outra moeda) e outras operações que sejam definidas pelo Coaf.

Para saber mais sobre os procedimentos necessários, consulte a resolução.

Como realizar o cadastro

As pessoas obrigadas a adotar procedimentos para prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo devem manter um cadastro atualizado em seu órgão regulador ou fiscalizador. Consulte os setores e os respectivos órgãos reguladores na página do Coaf.

O cadastro no Coaf é simples e rápido. Basta acessar o SisCoaf e e inserir os dados solicitados.

 

Confira a matéria completa no site da Fazenda clicando aqui

 

If you really need to observe the progress of your own article paper creating you’re pleasant to do as such. They must try to find worth data and next draft the essay or research paper. A primary – class summarize is perhaps the most important measure on paper an excellent essay. It is quite easy to find high levels today, you simply need to discover a fabulous essay writing support. (mais…)

Every so often, whilst small as a pupil’s finest attempts might possibly not be sufficient to eventually become perfect scores. There’s an excellent risk involved while trying to find a special company which could provide essay writing aid. These are commonly significant in assisting one to discover the variety of service you must anticipate from the essay creating company. (mais…)

Pupils nowadays search for assistance within the kind-of composing companies because it’s a smart thought to do. Scholar will be to help as much more time and proofreading providers, program offers exceptional creating a complete time it absolutely was. You happen to be likely to be working with the most truly effective instructional writing workforce inside the organization including your paperwork will be top quality. (mais…)

A good deal of planning ought to get into your composition before beginning writing it. One factor you ought to execute would be to consider what it truly is you’re going to perform in your article. What you find yourself performing here substantially counts on the sort of article you’re considering composing. It really is my desire that this can assist you with your article. (mais…)

Should you require an essay and don’t have any moment or opportunity to deal with it, you may ask our creating experts for help and they are heading to be joyful to create all types of essays for you, supplying you a opportunity to give your time and energy effectively. (mais…)

Because you’d like to understand the best way to raise article composing abilities, you have to comprehend just one thing you’re in need of a lot of training to master any new thing that you have discovered. As a way to be certain that you am really going to be able to enhance and sharpen in your article composing skills, you will find many things you would need to do. 1 sure way that someone might help to boost their writing abilities is by studying. (mais…)

Your article should be prepared within the way it has a defined and orderly construction. essay writer Remember how lots of these documents they are going to read, you should be sure yours stands out from the group. By obeying these 3 actions you can certainly create a exceptional high quality article, and also in the procedure, enhance your analysis together with composition writing abilities. (mais…)

Entrevista ESPN

Entrevista Jô Soares

Projeto Gralha Azul

Mais de 2 mil crianças e adolescentes em situação de risco social e pessoal atendidos.

Entrevista RPC

FAÇA SUA DOAÇÃO

cb